A quarta onda gastronômica e o Slow Food

Tempo de leitura: 2 minutos

Enxergar além do agora é um dos grandes desafios de todos os empreendedores. É importante estar atento às necessidades dos consumidores para que suas empresas se alinhem cada vez mais com o que eles procuram. Na área da gastronomia não é diferente. O estudo de tendências mostra que o setor vai passar por uma transformação considerável nos próximos anos e aponta o chamado “movimento slow food” como sendo um desses caminhos.


A proposta do Slow Food é trabalhar o tripé do alimento bom, justo e limpo. Isso inclui o uso de ingredientes de origem local, a adaptação de cardápios sazonais, e manter um certo padrão ambiental e ecológico ao defender práticas agrícolas humanas e o tratamento ético dos animais. Além disso, incentiva a economia local, fazendo o dinheiro circular de volta, beneficiando pelo menos duas vezes a quantidade de pessoas.

ARRI menor - A quarta onda gastronômica e o Slow Food
Arri Coser, fundador da Fogo de Chão

No Brasil, um dos empresários que está na vanguarda deste movimento é Arri Coser, que fundou a churrascaria Fogo de Chão criando, no anos 80, um novo conceito para o segmento. Após três décadas nesta operação, vendeu a rede por 320 milhões de dólares e passou a investir em outros dois negócios também na área de gastronomia. O NB Steak, com 6 lojas atualmente, e o Marmonti com 12. Os dois aderem a filosofia Slow Food, já que priorizam alimentos frescos e de alta qualidade, negócios locais e um sistema de valor corporativo sustentável.

 

Arri classifica este momento como a quarta onda da gastronomia e ele acredita tanto nesta tendência que tem a meta de instalar 50 estabelecimentos no Brasil até 2020. “As pessoas estão mais preocupadas com a qualidade do que elas consomem. Elas querem menos processados, mais produtos in natura. É uma volta para o início. O mundo da gastronomia é como a moda, é cíclico, ele vai, e quando ele perde alguma coisa ele volta para buscar”, afirma ele.


Existem dados que confirmam o direcionamento que Coser está dando as suas empresas. De acordo com a pesquisa da JWThompson Intelligence, quase metade (49%) dos millennials americanos dizem que agora esperam que todos os produtos sejam livres de transgênicos, enquanto 43% esperam orgânicos, 53% naturais, 64% sustentáveis e 56% recicláveis.


É justamente em cima dessa necessidade que minhas novas operações se baseiam. Do mobiliário dos restaurantes ao produto utilizado, tudo é certificado. Estamos trabalhando com o pequeno produtor, aqueles que vamos visitar pessoalmente, que sabemos a procedência de cada item, valorizando o não processado. Temos uma série de outras ações que vai se enquadrar com os próximos 10 anos.”


A visão empreendedora de Arri Coser, bem como a experiência de outras referências nacionais nas áreas de vendas, tecnologia, inovação, sustentabilidade e marketing, poderão ser acompanhadas de perto na segunda edição do Trakto Marketing Show, que acontece em Maceió, nos dias 31 de maio, 1 e 2 de junho. As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas. Para mais informações, acesse www.mktshow.com